Febre amarela: origem, sintomas e como combatê-la

Desde o meio do ano passado muito vem se falando sobre a Febre Amarela. Depois de mais de uma década, o Brasil volta a lidar com um surto da doença. Porém ainda há muitas dúvidas sobre a enfermidade.

Pensando nisso, a SOL-Millennium criou este artigo, em que você irá saber um pouco mais sobre a patologia, seus sintomas e como você pode se proteger dela.

 

Sintomas e Perigos da Febre Amarela

Normalmente, quem contrai os vírus não tem nenhum sintoma, ou os mesmos são muito leves. Mas os que apresentam geralmente manifestam: febre súbita, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.

Grande parte das pessoas melhora após estes sintomas iniciais, porém cerca de 15% dos infectados têm uma melhora e depois desenvolvem a forma mais grave da doença.

Nos casos graves a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarela da pele e do branco dos olhos), hemorragia e até mesmo choque e insuficiência múltipla dos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a doença grave podem morrer.

 

Casos no Brasil 

A primeira epidemia de Febre Amarela que se tem notícia no Brasil ocorreu em Recife, em 1685. Mesmo séculos depois da doença chegar em terras brasileiras ainda não foi possível erradicá-la.

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde (divulgação 07/03/2018) apontaram que, durante o período de monitoramento, entre 1° de julho de 2017 a 6 de março de 2018, foram confirmados 846 casos de Febre Amarela no país, sendo que 260 dessas pessoas vieram a óbito. Ao todo, foram notificados 3.234 casos, em que 1.560 foram descartados e 828 ainda estão sob investigação.

 

Prevenção

Há duas formas de se prevenir a febre amarela. Uma delas é prevenindo a disseminação do seu vetor, o Aedes aegypti. Evitar água parada em recipientes como caixas d’água, latas e pneu não deixa com que a fêmea ponha seus ovos.

Outra forma é através da prevenção individual, com a vacinação contra a febre amarela. No início deste ano, as cidades que tinham maior incidência da doença tiveram campanhas de vacinação voltadas para a doença.  A princípio a procura foi grande, com longas filas nos postos de saúde, entretanto com o tempo este número foi caindo e agentes da saúde tiveram que ir atrás dos moradores das áreas em risco para realizar a aplicação, como foi o caso da cidade de São Paulo.

Recentemente o Ministério da Saúde ampliou para todo o país a disponibilidade da vacina. A medida tem como objetivo antecipar a prevenção de todos os brasileiros, caso a circulação do vírus aumente.

 

Material dedicado aos profissionais da saúde

Com o surto da febre amarela, muito medo e dúvidas chegaram à população, inclusive aos profissionais da saúde. Por isso, o governo criou um guia voltado para este público. Nele, o profissional tem acesso a uma série de informações, como a forma de lidar com os pacientes adultos com suspeita da doença, medidas de prevenção e controle da infecção e eventos adversos que podem ocorrer pós-vacina. Você pode baixar o material clicando aqui.

 

A febre amarela é uma doença muito perigosa e já tirou a vida de centenas de brasileiros nos últimos meses. A SOL-Millennium está junto com você na luta contra ela, mas você também deve fazer sua parte. Aderir à campanha de vacinação e ajudar no combate do mosquito vetor da doença é essencial para que tanto você quanto o próximo fiquem protegidos.

 

Fontes: Ministério da saúde, Bio-Manguinhos/Fiocruz e Biblioteca virtual em saúde.

Faça o download do catálogo de produtos SOL-Millennium!

Aviso: os comentários a seguir são de inteira responsabilidade do autor e não necessariamente representam a visão do SOL-Millennium.

Deixe seu comentário