Saiba os principais riscos e erros ao se descartar materiais perfurocortantes

Saiba os principais riscos e erros ao se descartar materiais perfurocortantes

Saiba os principais riscos e erros ao se descartar materiais perfurocortantes

Ainda que tenham como obrigação zelar pelo bem-estar físico e mental das pessoas, as instituições de saúde não estão imunes a riscos, já que se trata de ambientes complexos, onde podem acontecer diversos acidentes.

Entre os mais comuns e rotineiros são aqueles que envolvem os erros no descarte de perfurocortantes. Além das lesões físicas, esse tipo de situação pode acarretar ainda na contaminação por doenças transmitidas pelo sangue, tais como hepatites B, C e HIV, e provocar danos irreversíveis ao acidentado.

Contudo, com atitudes simples e a adoção de materiais adequados, é possível minimizar essas ocorrências e tornar hospitais, clínicas e instituições de saúde lugares mais seguros e confortáveis para todos.

Veja a seguir os principais erros no descarte de perfurocortantes e saiba o que não se deve fazer com esses materiais:

 

Tentar reencapar o perfurocortantes antes do descarte

Muitos profissionais ainda têm o costumede tentar recolocar a capa protetora na agulha após o uso do perfurocortantes. Fazendo isso, o profissional pode se espetar e, se o material biológico estiver contaminado, ele será infectado.

 

Tentar quebrar, entortar ou remover a agulha da seringa

Essa é outra atitude muito comum e que também oferece perigo de lesão e contaminação. Além do risco de perfurar o profissional, a quebra, remoção ou o ato de entortar a agulha com as mãos não evitam que a ponta do objeto fique exposta e possa machucar outras pessoas.

 

Espetar a agulha no colchão

Pode parecer pouco provável, mas existem profissionais da área de saúde que têm o hábito de espetar as agulhas no colchão depois da sua utilização. Esse é um erro grave no descarte de perfurocortante que pode afetar pacientes, familiares, enfermeiros, auxiliares, profissionais da lavanderia e médicos.

 

Ultrapassar o limite da capacidade do coletor de material perfurocortante

Para fazer o descarte correto dos perfurocortantes é necessário depositar, ao final do uso, todo o material em um recipiente próprio para isso. Contudo, é comum que esses recipientes sejam preenchidos acima do limite de 2/3 da capacidade, o que é proibido pelas normas de segurança, e que não estejam posicionados ao lado do local onde os equipamentos serão utilizados, obrigando o profissional a percorrer uma distância desnecessária com as agulhas e seringas contaminadasem mãos.

 

Não descartar o perfurocortante imediatamente após o uso

Esse é um dos erros mais frequentes dos profissionais que trabalham com perfurocortantes. Seja por distração ou por falta de noção da gravidade do ato, não descartar o material imediatamente após o uso e andar, conversar e fazer outras tarefas com agulhas e seringas usadas na mão representa um grande perigo, pois o profissional pode se machucar ou acertar acidentalmente algum colega ou paciente.

Apesar de todas essas situações representarem problemas graves e recorrentes nas instituições de saúde, esses acidentes podem ser facilmente prevenidos redobrando a atenção, cumprindo as normas estabelecidas pela NR-32 e adotando equipamentos adequados, como agulhas e seringas com sistema de segurança.

Se você quer saber mais sobre assunto, navegue no site da Sol Millennium e conheça soluções e produtos que garantem um ambiente mais confortável e seguro para os profissionais da saúde.

 

Warning: the following comments are the responsibility of the author and do not necessarily represent the views of the SOL-Millennium.

Deixe seu comentário

Publicações relacionadas